Críticas

Published on junho 5th, 2017 | by Marcelo Leme

0

Crítica: Mulher-Maravilha

Mulher-Maravilha não é uma completa maravilha, mas é um filme justo e coerente ao universo dessa tão importante personagem. Também resgata a dignidade da DC, abalada após os infelizes Batman vs Superman e Esquadrão Suicida. Ainda relega a composição de sua personagem enquanto secundária, elevando-a tematicamente a um protagonismo imperativo e figurado a condição social das mulheres, em tempos de tantas e necessárias discussões sobre igualdade. Eis um imprescindível estigma de nosso tempo que o cinema se apropriou e já eternizou na memória.

Há quem tenha ido com baixa expectativa. Isso contribui com surpresas e consequentes satisfações. Há quem tenha torcido o nariz antes mesmo do trailer ter sido lançado, pois tratava-se de uma heroína. Isso traz ecos do que o filme demonstra ao contextualizar a sociedade machista do início do século XX. Mas o filme, ainda que se debruce para o empoderamento feminino, não levanta bandeira e naturaliza o tema com boas sacadas e recursos do roteiro que ressaltam o descobrimento do mundo por parte de Diana Prince, a Mulher-Maravilha.

Só por isso já tem relevância, mas filme algum deve ser composto apenas por mensagens ou militâncias. É preciso mais. Aqui há mais! O arco inicial do roteiro, por exemplo, é inteligente ao ligar aos eventos de Batman vs Superman, levando-nos a acompanhar um flashback procedente de lembranças desencadeadas por uma fotografia. Através disso conheceremos a origem de Diana Prince, seu passado entre as amazonas, sua relação com cultura grega – planos deslumbrantes recontam a adaptação de um mito – e o que levou-a a testemunhar e combater durante a primeira grande guerra, junto a Steve Trever, um espião.

A história é contada de maneira simples, equilibrando a rigidez visual característica de produções da DC com cenas de humor pontuais favorecendo alguma descontração – nesse sentido, há excessos desnecessários, como a presença de uma secretaria pitoresca que vem aliviar tensões em instantes que não há tensões. Deve ter saído de alguma sitcom.  A passagem de Diana por Londres e a maneira que percebe o mundo é bastante interessante, especialmente quando questiona morais as quais não estava condicionada. Uma Kaspar Hauser sem amarras, que observa o mundo com um outro olhar.

Dirigido pela cineasta Patty Jenkins do excelente Monster – Desejo Assassino, parece bastante clara sua influência quanto a moralidade temática, ainda que o roteiro não a credite – aliás, só homens o escreveram (Geoff Johns, Allan Heinberg e William M. Marston, a partir do argumento de Zack Snyder). Jenkins dá total atenção a protagonista, fazendo questão de ignorar completamente outros heróis para focar unicamente na heroína. Não acho que se dê tão bem com os atores, já que subaproveita grandes nomes, tal como Elena Anaya. Isso desperta curiosidade, já que no citado Monster, sua direção de atores foi um diferencial. Todavia, aqui, mostra-se eficiente ao conduzir a ação e contrapor cenas aflitivas com outras emocionantes.

Jenkins também tem a seu favor Gal Gadot, que ainda não é uma grande atriz, mas que assumiu com competência a cultuada Mulher-Maravilha. Não é algo fácil de se fazer. A suntuosidade e postura da atriz triunfam sem precisar decorar textos longos ou demonstrar um melhor desempenho cênico. Seu sorriso desarma qualquer vilão e ganha a simpatia do espectador.

Mulher-Maravilha, portanto, é muito mais que uma mera obra baseada em algum super-herói, é um filme de espionagem, de descobertas e de emancipação. Há alguns discursos sofríveis sobre amor e paz, evidenciando os instantes mais lamentáveis do roteiro. Todavia, esses instantes ficam de lado frente ao show visual das cenas de ação que são possíveis de serem compreendidas, ainda mais as que ocorrem durante a guerra. O excesso de CGI quase estraga a experiência quando próximo ao final. Quase!

E virá mais. E dessa vez com mais a dizer.

Comments

comments

Tags: , , , , , , , , ,


About the Author

Marcelo Leme

Realizador, roteirista, curador, crítico de cinema do portal cineplayers.com e colunista semanal do Jornal da Cidade de Poços de Caldas. Trabalha no Instituto Moreira Salles. Entusiasta da sétima arte, é credenciado em festivais de cinema como a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e o Paulínia Film Festival. Teve, em 2013, um de seus textos selecionados pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). >>> instagram.com/marceloafleme



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑
  • ASSISTA NOSSOS FILMES DE GRAÇA

  • Parceiros

    Parceiro - Adorocinema
  • Parceiro - Centerplex
  • Inscreva-se no Youtube!